Animais





Lembrava dele encostando-a pelos muros da cidade, tentando arrancar-lhe a roupa. Nos olhos estampado a vontade de possuí-la alí, encostada em um portão qualquer. Aguçava-lhe o desejo. Fechava os olhos e sentia, como se fosse agora, o momento em que chegaram ao local escolhido por ele. Um lugar barato, mas não era necessário luxo, o desejo faria com que o lugar se transformasse. Beijos, bocas e pele. Não houve tempo suficiente para as roupas serem tiradas, ela de vestido, teve a calcinha arrancada e rasgada. Ele, o cinto, o ziper e as calças cairam pelo chão. Ele a levantou, ela passou suas pernas por sua cintura. Mal tinham fechado a porta do quarto. Foi ali, encostados na parede, seu sexo ao encontro do dela. Gemidos, unhas vermelhas nas suas costas, selvagens, como dois animais. Gozaram, deliciando-se num inesquecível e animal beijo. Ele a carregou no colo, jogou-a na cama, veio para cima dela, como um cachorro vadio, ela como uma pintada no cio, puxando-o ao seu encontro. Mal tinham tido tempo de recuperarem o folego. E assim foi a noite, entre carícias e selvageria. Se olhavam, se excitavam, se encaixavam. Até o sol aparecer por entre as persianas.

No Ipod:


1 comentários:

Moa 15 de outubro de 2010 05:45  

Bonito recorte de um encontro explosivo. A intensidade com que usou os verbos, pareceu real, se é que não foi.
Bjs

Postar um comentário

  © DO MUITO E DO POUCO

Design by Emporium Digital