Vida Ciclica
Fharat Chiara


Devia ser umas quatro horas. Liguei o chuveiro e tirei minha roupa bem devagar para que a água tivesse tempo de esquentar. Entrei de uma só vez e vi a tinta preta dos meus cabelos escorrendo pelo corpo. O mundo é mesmo uma merda pensei... Eu não queria tomar banho, só ficar ali. Sentei no chão e a água começou a bater absurdamente quente nos meus joelhos, deixando-os vermelhos. Masoquista. Como as músicas que eu ouvia para ficar mais triste. Como roer as unhas até sair sangue. Unhas. Gosto delas carmim como estão agora, porque pareço mais puta, logo mais despudorada, confiante, moderna e feliz. As putas devem ser felizes. Desesperada. Procurei algum resquício de ilusão. Gosto de me iludir, de sentir-me falsamente protegida por alguém que pouco se importa com a minha existência. Existência. Se eu tivesse uma banheira, cortaria meus pulsos e morreria afogada na água vermelha, como naquele filme. Então comecei a rir sem controle, porque na película (filmes ficam mais bonitos se chamados de películas) a menina suicidava-se ao som de alguma coisa da Mariah Carey. Ou seria Whitney Huston? Estúpido, Not for her. Eu quero morrer com estilo. Trilha sonora para minha morte poética? Nana Caymmi. Então pensei nas manchetes dos jornais baratos: Mulher desiludida corta os pulsos em uma banheira ouvindo Nana Caymmi. Precisava de um papel para escrever um bilhete para alguém. E não podia ser um bilhete qualquer, mas sim, um como aquele do Almodóvar: 'espero que nunca me entenda, porque se me compreenderes, estarás tão desesperado quanto eu'. Alguma coisa assim, não me lembro direito. E tem aquela frase tão batida, Ne me quitte pas e outras frases bonitas e tão batidas. Meus joelhos estavam ardendo. Desliguei o chuveiro e sai. Não tenho uma banheira.


No Ipod:



1 comentários:

Simplesmente... Chiara 28 de dezembro de 2009 07:13  

Nossa esta música ficou perfeito com meu texto!

É amiga não tenho uma banheira!
Mas é sempre válido cortar os pulsos imaginários e seguir em frente.

Como diz meu querido Moska:

"Você não sofre porque não sente o que eu sinto...
Há um iceberg em você que eu tenho que derreter...
Que tipo de piscina terá embaixo desse trampolim?
Que pulo que eu vou ter que dar pra não me ferir?"

Postar um comentário

  © DO MUITO E DO POUCO

Design by Emporium Digital